RegrasPortalCalendárioFAQBuscarInícioRegistrar-seConectar-se

Compartilhe | 
 

 Leitos do Hospital

Ir em baixo 
AutorMensagem
A Pedra Filosofal
Administrador
Administrador
avatar

Mensagens : 202

Perfil Bruxo
Habilidade: Não possui
Ano Escolar: Não possui
Casa: Indefinido

MensagemAssunto: Leitos do Hospital   Sab 1 Fev - 17:00:55

Leitos do Hospital

Uma sala ampla com várias camas confortáveis separadas e um criado-mudo em cada canto. Os lençóis, de linho branco, são anti-alérgicos, e há algumas cortinas para garantir uma certa privacidade para os pacientes ao redor da cama.


Equipe Administrativa de Expresso Hogwarts RPG

Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Carrie Stravinsky Mikayda
St. Mungu's
St. Mungu's
avatar

Mensagens : 6
Sangue : Puro
Idade : 25
Estou em/ Moro em : St. Mungu's ~ Rússia.

Perfil Bruxo
Habilidade: Não possui
Ano Escolar: Concluído
Casa: Sonserina
MensagemAssunto: Re: Leitos do Hospital   Qui 27 Mar - 15:58:27

Olá, mocinha! — cumprimentei a garotinha de seis anos que jazia deitada em uma das macas da enfermaria. Ela tentou esboçar um sorriso, mas acabou por fazer uma careta. Seu joelho estava envolto por camadas e camadas de panos amarrados grosseiramente; estes, assumiam a cor vermelha em diversos pontos. Não precisei olhar muito para adivinhar o que era aquilo. A garotinha estava meio esverdeada e seu corpo tinha uma camada a mais, feita inteiramente de suor. Contive uma careta e fui até a torneira, lavando e secando as mãos para, só então, pôr as luvas e me aproximar dela. — Vamos ver isso aqui? — perguntei, me aproximando, já com a mão no primeiro pano da pilha que cobria sua perna. Ela assentiu. — Seu nome é...? — questionei, meus dedos ágeis já retirando o segundo pano empapado de um sangue vermelho e um tanto quanto amarelado. Ela disse que chamava-se Emily. — Eu me chamo Carrie. — apresentei-me, retirando o último pedaço de tecido, revelando por baixo dele um corte grande e profundo. Este, estava com um tom amarelado nas voltas, e um pus nojento e pegajoso saia dele. Emily fez força para sentar, mas com uma mão, a fiz permanecer deitada. Ela não ia querer ver aquilo. — Como isso aconteceu? — a pergunta foi direcionada aos dois irmãos mais velhos que estavam sentados ambos em uma poltrona, perto da cama da irmã. Eles deviam ter, em média, dezesseis anos, e o nervosismo era notável. Será que teriam contado aos pais sobre aquilo? Provavelmente não.

Eles começaram a explicar que estavam cozinhando, e que, sem querer, uma faca caíra no chão durante uma brincadeira e a irmã, também. Aquilo acontecera por volta do meio dia; agora eram quase seis da tarde. Eles tentaram tudo que sabiam, mas nada fazia a perna da irmã voltar ao normal. Enquanto eles contavam a história, eu pegava um suporte e o enchia de água, apanhava panos limpos e tudo que eu precisaria para limpar aquele vulcão de pus. — Bom, vamos da um jeito nisso. — afirmei, e sorri de leve. Com o pano, limpei o máximo de sangue e pus que consegui; ao final da tarega, ele já estava quase que completamente vermelho escuro. O sangue começou a sair novamente, para minha infelicidade; mexer fez com que abrisse completamente novamente. Ergui a varinha. — Estanque Sangria. — proferi. O ritmo de sangue logo parou. — Tergeo. — eu havia limpado o machucado, mas a magia é sempre mais segura do que os olhos e habilidades humanas; fora que havia começado novamente. O corte ficou mais limpo — e estancado —, e assim eu conseguiria trabalhar melhor nele.

Ei, Emily, é um jogo. Você vai colocar essa venda e só vai tirar quando eu disser que pode. Se consegui ganhar o 'jogo', eu te dou um prêmio. — propus. Ela aceitou, e então dei o pedaço de pano para ela pôr nos olhos. Eu sabia que muito do 'medo' das crianças ao ver machucados era o sangue e sua aparência feiosa. Se não a visse, não teria problemas. Emily amarrou-o ao redor dos olhos e se deitou. Peguei a varinha. — Contiflama. — falei, e a inflamação diminuiu um pouco, mas não se extinguiu por completo. — Não demorem tanto a trazê-la aqui da próxima vez. — alertei os irmãos. Virei-me novamente para Emily. — A inflamação não sumiu, apenas diminuiu. Ela vai ficar mais um tempo aqui até que seja seguro mandá-la para ca... Meu Mérlin! — exclamei ao tocar a testa da garota. Ela estava quente. Febre; era óbvio que isso ia acontecer. — Accio termômetro. — o instrumento voou até minha mão esquerda, e rapidamente coloquei-o debaixo do braço da garota. O tempo de espera foi trinta segundos, e o termômetro só me mostrou o que eu já sabia: Emily estava ardendo em febre. — Fervout. — pronunciei. Aquilo aliviaria um pouco a febre da garotinha. Na dúvida, molhei uma toalha e deixei-a na sua cabeça. — Vou ligar para seus pais, volto já. — avisei, saindo rapidamente da sala.
[
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
 
Leitos do Hospital
Voltar ao Topo 
Página 1 de 1
 Tópicos similares
-
» Hospital Presbiteriano de Nova York
» Hospital Geral de Ambarantis
» Hospital De Konoha
» [Konoha] Hospital
» [Konoha] Academia Ninja

Permissão deste fórum:Você não pode responder aos tópicos neste fórum
Expresso Hogwarts :: » MUNDO BRUXO :: 6º andar-
Ir para: